Ir direto para menu de acessibilidade.

Fonte Acessibilidade

A- A A+

GTranslate

ptenes

Opções de acessibilidade

Início do conteúdo da página

Projetos de Pesquisas | Linha: Cultura, memória e relações de poder

Publicado: Terça, 02 de Fevereiro de 2021, 18h54 | Última atualização em Terça, 02 de Fevereiro de 2021, 19h19 | Acessos: 617

Linha: Cultura, memória e relações e poder

Ditadura Militar na Amazônia: levantamento documental e análise historiográfica: entre práticas e representações (Marabá 1960-1970) (Coordenado pelo prof. Dr. Erinaldo Cavalcanti)

Descrição: O presente projeto: “Entre práticas e representações: história e ditadura militar: levantamento documental e análise historiográfica (Marabá 1960-1970)” se encontra dentro das atividades desenvolvidas no âmbito das ações do Grupo de Pesquisa e laboratório iTemnpo e objetiva de maneira específica fazer um levantamento documental no acervo do arquivo da Câmara Municipal de vereadores da cidade de Marabá-PA. No primeiro momento as atividades foram direcionadas para a seleção, catalogação e produção documental acerca de algumas relações políticas praticadas no Sul e Sudeste do Pará entre os anos de 1960 e 1970, especialmente no município de Marabá. Em seguida se propõe analisar as práticas e representações acerca das relações de poder que configuraram as disputas políticas praticadas no município de Marabá e na região no período em tela e dessa forma ampliar as discussões sobre a ditadura militar instaurada em 1964. Também o projeto se propõe a problematizar, a partir das fontes analisadas, algumas relações entre história local e ensino de história.

 

História e Fotografia: imagens de luta, resistência e movimentos sociais (1970-1990) – Coordenado pelo Prof. Dr. Geovanni Gomes Cabral

Descrição: Projeto de pesquisa “História e Fotografia: imagens de luta, resistência e movimentos sociais (1970-1990)” está vinculado ao iTemnpo e registrado no Instituto de Ciências Humanas ICH. A presente pesquisa resulta do desdobramento do projeto de pesquisa “Ensino de História, fotografias e movimentos sociais: o arquivo da Comissão da Pastoral da Terra (CPT Marabá)” tendo como foco problematizar a fotografia como fonte documental no Ensino de História. Nesse caso o direcionamento adotado foi aplicar essas imagens dos movimentos sociais e conflitos sobre uso e ocupação terra nas aulas das disciplinas de Práticas Curriculares Continuada, possibilitando ao discente de graduação problematizar esse campo visual e seu uso em sala de aula da educação básica.

 

A Liberdade Falada: As Biografias e a Narrativa Escrava como Ferramenta no Ensino de História do Brasil e de História das Américas (Coordenado pela Profa. Dra. Maria Clara Sales Carneiro Sampaio)

Descrição: Este projeto de pesquisa tem como objetivo oferecer contribuições acerca do uso de Narrativas Escravas, biografias e micro biografias de escravas e escravos como ferramentas pedagógicas para a educação das relações étnico-raciais no ensino básico. Utilizamos o termo Narrativa Escrava em referência ao gênero literário dos países de língua inglesa que abarca relatos em primeira pessoa de mulheres e homens africanos ou afrodescendentes que foram submetidos à escravidão atlântica. As Narrativas Escravas, desta forma, não constituem apenas fontes interessantes de compreender as experiências de escravidão e de luta pela abolição através dos olhos daqueles homens e mulheres que foram escravizados, mas também podem contribuir potencialmente com abordagens didáticas que tragam mais concretude a alguns dos conteúdos interdisciplinares transmitidos na Educação Básica. Nosso objetivo foi desenvolver também reflexões acerca das narrativas e biografias escravas no Brasil como alternativas didáticas para ministrar conteúdos de História das Américas, bem como os conteúdos expressos pela Lei 10.639/2003, que tornou obrigatório o ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana.

 

Estado e Políticas Sociais na Amazônia: diálogos críticos sobre apropriação de territórios e recursos naturais, mobilidades humanas e desestruturação de sistemas de conhecimento. (Coordenado pela Profa. Dra. Idelma Santiago da Silva)

Descrição: O projeto objetiva analisar as políticas desenvolvimentistas praticadas pelo Estado em escala nacional e regional e seus impactos ambientais, culturais e sociais aos territórios e às territorialidades dos sujeitos a eles concernidos. Via de regra, essas políticas resultam em um violento processo de desterritorialização, bem como em violação de direitos, impondo a necessidade de alargamento do universo conceitual da temática. Destarte, balizas epistemológicas desse projeto associado repercutirão sobre: Estado, conflitos socioambientais, mobilidades humanas e territórios educação, dentre outras. Pretende-se, assim, desenvolver ações de integração entre ensino, pesquisa e extensão, a partir do diálogo crítico-cruzado dos pesquisadores com as populações e seus conhecimentos tradicionais, com a finalidade de desvelar problemáticas e proposições que subsidiem a construção de alternativas aos processos de exclusão, desigualdades, violências e conflitos gerados por essas políticas que, frequentemente, deslegitimam os modus operandi desses sujeitos. As linhas Estado, Mobilidades Humanas e Políticas na Amazônia; Dinâmicas Sócioambientais, Diversidade, Lutas por Direitos Sociais e pela Terra na Amazônia nortearão as pesquisas em associação entre o PDTSA, PPGSOF e PPGPS.

 

Para além do círculo provinciano: a trajetória política e intelectual do Barão de Igarapé Miri (1854-1893). Coordenado pela Profa. Dra. Anna Carolina de Abreu Coelho.

Descrição: O projeto que apresento é um desdobramento das pesquisas iniciadas em 2018 no projeto interinstitucional vinculado à Faculdade de História da UFPA, intitulado A nobreza da terra no Pará oitocentista: memória e política, coordenado pela professora doutora Maria de Nazaré Sarges, do qual sou colaboradora e coordeno as pesquisas desenvolvidas na Unifesspa. Esse projeto objetiva investigar um grupo de homens da elite paraense (portugueses e brasileiros) com títulos de nobreza visando entender de que forma esses homens conseguiram construir uma memória para além do círculo provinciano, partindo de sua atuação política e/ou intelectual. Nesse sentido, de dialogar e ampliar o projeto A nobreza da terra no Pará oitocentista pretendo iniciar uma pesquisa a respeito da trajetória política e intelectual de Antônio Gonçalves Nunes, o Barão de Igarapé Miri. Esse projeto objetiva, mais especificamente, entender a inserção política e a trajetória intelectual que compreende os cargos públicos que ocupou e sua participação em sociedades cientificas, institutos e lugares de memória. Assim, a delimitação do período a ser estudado foi do ano em que iniciou sua atuação política como membro da assembleia legislativa em 1854 ao ano de sua morte em 1893.

 

Expedito Ribeiro e a busca de outros nortes: sindicalismo, violência e conflitos no campo. (Coordenado pelo Prof. Dr. Eduardo de Melo Salgueiro)

Descrição: Este projeto tem por interesse analisar o contexto da violência e luta pela terra por meio da trajetória de vida de um sindicalista rural chamado Expedito Ribeiro, que viveu na região sul do Pará nos anos 1980 e foi assassinado em 02 de fevereiro de 1991, em decorrência de sua atuação como um militante em favor da reforma agrária e direitos dos trabalhadores rurais. Sua morte é emblemática para entender a histórica violência do Sul e Sudeste do Pará.

 

Cartografia de afetos na encantaria: Iniciação e Trânsitos Culturais em Terreiros de Umbanda na Amazônia Oriental Marabá (Coordenado pelo Prof. Dr. Jeronimo Silva e Silva)

Descrição: O projeto de pesquisa, “Cartografia de Afetos na Encantaria: Iniciação e Trânsitos Culturais em Terreiros de Umbanda na Amazônia Oriental Marabá” pretende fazer uma cartografia de terreiros de Umbanda na cidade de Marabá delineada em dois aspectos apreendidos a partir da pesquisa de campo realizada com tais religiosos. Inicialmente almeja-se realizar uma etnografia com pais e mães de santo dos terreiros na cidade para perceber a história de vida, cotidiano e processo de iniciação junto aos caboclos, mestres e encantados, trazendo, contiguamente, memórias de trânsitos culturais e experiências migratórias com outras partes do território brasileiro tais como Maranhão, Ceará, Paraíba, para ficar com os casos mais recorrentes. O segundo aspecto do projeto emerge a partir de outros elementos acolhidos na interação com mães e pais de santo da região. Notara paulatinamente que muitos desses religiosos, além de terem sua iniciação junto às entidades a partir do trânsito entre o nordeste brasileiro e esta área do Pará, presenciaram o fenômeno designado de “a viagem dos encantados”, isto é, deslocamentos intermitentes de entidades do universo afro-brasileiro através do chamado “espaço natural”, assim, entidades, caboclos, encantados e almas acompanhavam os iniciados através de rios, cacimbas, pedras, árvores e ventos potencializando a comunicação com os seres e as práticas de cura dos iniciados (CASCUDO 1983; PARES 2007; PEREIRA 2008; PRANDI 2004). Outrossim, é importante ressaltar a capacidade de muitos pais e mães de santo durante os rituais de “incorporação” ou “descimento de caboclo” receberem entidades de terreiros do nordeste brasileiro, ou mesmo saírem de seus corpos e viajarem com seus “Guias” até outras localidades (WAGLEY 1977; VERGOLINO 2008; MAUÉS 1990). O processo citado tem profunda relação, conforme, veremos com as especialidades nas práticas de cura, denominadas de “linhas”, “cordas” ou “contas”, não por acaso denominadas de xamanismo (MAUÉS 1995). Tais singularidades sinalizam para uma compreensão ontológica da relação entre pessoas e entidades neste universo cosmológico (LAVELEYE 2008; TRINDADE 2007).

 

História Política do Estado do Pará das eleições de 1982 até o fim da ditadura militar (1985) Coordenado pelo Prof. Dr. Pere Petit

Descrição: Com a pesquisa, intitulada História Política do Estado do Pará das eleições de 1982 até o fim da ditadura militar (1985), pretendo dar continuidade à análise sobre as práticas políticas e mudanças sociais e econômicas no país e, sobretudo, no Estado do Pará, e às reflexões teórico-conceituais, historiográficas e metodológicas sobre História Política, História Social e História Econômica no recorte do tempo histórico que denominamos História do Tempo Presente (HTP).

 

Tecnologias de poder: a ditadura militar e a Amazônia brasileira (1964-1985). (Coordenado pela Professora Doutora Regina Beatriz Guimarães Neto)

Descrição: O objetivo deste projeto é propor uma análise historiográfica sobre as tecnologias, estratégias e dispositivos de governo, relacionados às práticas econômicas e políticas de empresários e negociantes/comerciantes na Amazônia brasileira, durante o regime militar (1964-1985). Nesse contexto, deve-se considerar analiticamente a racionalidade governamental que as faz emergir. Do ponto de vista histórico, estudar as práticas e as tecnologias governamentais, aliadas às atuações de empresários e negociantes/comerciantes na Amazônia, possibilita melhor compreender o regime militar em aliança com setores da sociedade civil, no Brasil. As análises que proponho buscam dar visibilidade no nível “micropolítico” inter-relacionado ao nível “macro” como operam e se ampliam os investimentos econômicos e as formas de controle, vigilância e dominação política da população, especialmente trabalhadores pobres. O ponto de partida para a apresentação desta proposta deste estudo é a análise detalhada dos documentos do Serviço Nacional de Informação (SNI), que se encontram no Arquivo Nacional, entrecruzados a relatos orais (lideranças sindicais) e fontes da imprensa escrita e documentos oficiais do Estado. Terão destaque também documentos históricos se encontram em Washington/Congresso Nacional (NARA em College Park)), nos EUA. Esta proposta também pretende abrir outro campo de investigação para o estudo da exploração da mão de obra deslocada de diferentes regiões do Brasil para a Amazônia, fenômeno tão significativo para o objetivo geral deste projeto. Questão central para analisar como se estrutura pouco a pouco a implementação de um padrão de governabilidade por meio de tecnologias de poder, técnicas, mecanismos e dispositivos diversos que impediram a inserção produtiva de milhares de pessoas, especialmente trabalhadores sem a posse da terra, e as tornaram destituídas de direitos sociais e humanos. Essas tecnologias insinuaram-se materializadas em inúmeras ações/intervenções políticas e econômicas, sob uma base autoritária e militarizada, que legaram para o tempo presente as práticas neoliberais vigentes.

Fim do conteúdo da página